Vamos falar sobre humanização.

000

Como doula sou um elemento ativo da humanização do parto. E parto humanizado não é ter piscina, velas, incenso e música.

Humanizar o parto é dar qualidade de assistência. Basear-se em evidências, respeitar o protagonismo da mulher.

Em palavras mais cortantes seria fazer o natural, que é tratar seu semelhante de maneira digna e respeitosa.

Humanização existe em várias áreas, não apenas na assistência ao parto. Ouvi essa palavra pela primeira vez nas aulas de Ética há dez anos. E me pareceu tão óbvio…

Não se referir ao paciente pelo número de seu quarto ou leito. Não expor seu corpo desnecessariamente, sempre explicar qual procedimento será realizado. Chamá-lo pelo nome, não manter conversas paralelas durante atendimentos, enfim, tratá-lo como HUMANO dotado de vontades e sentimentos e não como uma patologia.

João é João e não o quarto B da perna fraturada

E pra humanizar a assistência não é necessário cursos, diplomas. Anos de experiência. Quem se apoia nesses pilares usa a humanização para dar “carteirada”.

Humanizar um atendimento é mudar práticas que impactam diretamente na gestão por isso é tão difícil hoje termos um atendimento humanizado na saúde pública.

Por outro lado, se formos olhar de perto, individualmente podemos contribuir para atendimentos humanizados, sendo éticos, privilegiando o humano em toda a sua totalidade.

Aqui no Centro de Saúde do meu bairro tem uma funcionária excepcional, Jaqueline. Ela se refere a mim pelo meu nome. Me ouve, pratica a enfermagem com amor. Pede licença ao meu filho quando vai vaciná-lo, é cuidadosa.

Qual a diferença dela? Ela sozinha, um cisquinho no meio do sistema e é humanizada. Talvez nem se dê conta disso. Seu grito de guerra, sua luta é no dia-a-dia. Sozinha ali, fazendo a diferença. Uma estrela num céu desconhecido.

Que fique claro, práticas humanizadas não se sustentam em nomes estrelados, tempo de estrada, cursos e diplomas. É uma questão de ética e extrema convicção pessoal.

Existem aqueles que veem no nicho da humanização uma oportunidade? Sim, existem. São aqueles que ficam em cima do muro, com práticas obtusas e discursos desconexos.

O diferencial é que esse comportamento contraditório não se sustenta ao longo do tempo, independente do apoio que exista.

Se você profissional se questionar e optar pelo caminho da humanização de maneira sincera, o tempo irá provar o quão verdadeiro seu engajamento é. No começo poderá encontrar resistência. Pode até mesmo ser acusado de aproveitador e de estar usando a luta por um parir respeitoso para se promover.

E quem vai provar o contrário? O tempo meu caro. E suas práticas que não devem se corromper.

O joio é filtrado do trigo.

Deu pra notar que fazer o bem não é tão simples quanto parece, não é mesmo?

É duro. É difícil. Você pode encontrar resistências não óbvias, mas lembrem-se: Para fazer o bem você não precisa da benção de ninguém. Não precisa de apadrinhamento. Não precisa de anos de bagagem.

Precisa apenas… Fazer o bem! Com ética, respeito e amor.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s