Você é escravo do ego? Abra suas portas internas!

0001455

Um dos meus sonhos seria traduzir de maneira clara ou através de vivências a relação entre nosso ego e nosso espírito.

Entender esse binômio facilitaria muito o encontro de nosso verdadeira essência contida em nosso espírito. Agora vocês entendem porque em sessões de terapia a interferência do psicanalista é quase zero?

Ele não está ali atrás de você fazendo a lista de compras, simplesmente existem portas que só podem ser abertas do lado de dentro.

E se ele explicar sobre tais portas? Provavelmente seu ego defensor vai dizer que ele é um aproveitador, um enrolador e que você deve parar de perder tempo com bobagens. Entende o grau de dificuldade? Ainda mais se levarmos em consideração que a maior parte das pessoas sequer tem noção do que é ego e como ele atua em nossa vida.

Quando desconhecemos a existência do ego em nós, podemos ser facilmente guiados, dominados e subjugados por ele. Ele traz a tona tudo o que precisamos trabalhar, mas não mostra qual a nossa missão em vida. Quem faz isso, quem tem consciência disso é nosso espírito, nossa essência, porém se o ego for dominante em nosso viver, jamais teremos acesso a essa missão. Passaremos a vida como burros de carga a serviço do ego, trabalhando, vivendo, destruindo relações para entregar prazer, conquistas e vitórias a ele.

Pessoas autoritárias, brutas, donas da verdade, rancorosas, vingativas servem ao seu ego de maneira cega. Se privam de coisas boas, tem seu crescimento espiritual e pessoal tolhido porque não seguem sua essência. Não vou falar com a fulana embora goste dela, porque eu tenho orgulho. Vergonha na cara.

E mergulham em vibrações baixas, em vibrações de ódio que podem refletir inclusive no seu corpo físico. Por isso profissionais e pessoas que lidam diretamente com distúrbios em relações humanas batem constantemente na tecla do amor e do perdão.

Somente esses dois sentimentos são capazes de elevar nossa vibração, trazer-nos felicidade e olharmos com afeto e carinho para os outros e para nós mesmos. Esse olhar afetivo torna a nossa vida mais leve, já que nossa sociedade ocidental tem uma cultura muito pesada e punitiva quando trata de assuntos dessa ordem.

Pessoas que erram e se vem sem o perdão e a acolhida, errarão novamente. A criatividade é podada, medo e insegurança surgem. Existem formas e formas de lidar com erros, sem necessitar usar a agressividade.

Por outro lado precisamos do ego para sermos seres conscientes, a relação dele conosco é como a de um motorista com seu carro, com uma diferença fundamental:

O carro (ego) tem vontade própria!

Temos nossa missão que é seguir rumo ao litoral. Assim que entramos no carro e decidimos rumar para o litoral somos contrariados pelo ego que quer ir para as montanhas.

Ele será incisivo, irá para as montanhas e acabou porque decidiu assim, não importa o que nós motoristas decidimos.

E muitos se deixam ser guiados. Vão para as montanhas, contrariando o plano original, puro e essencial que é seguir para o litoral.

O caminho para as montanhas é tortuoso, sofrido e esburacado. Muitos vivenciam todo este sofrimento que é viver contra a sua essência até terem consciência de sua missão na Terra.

A partir deste encontro com o essencial, com as vontades puras designadas é possível rumar a caminho da paz de espírito, satisfação verdadeira e felicidade plena.

Mas então, como saber se sua vida é guiada por seu ego? Como saber se você está aqui a serviço dele?

É simples. Olhe em volta. Veja sua vida, repense sua relação com os outros.

Você tem amizades? Amigos verdadeiros em que possa confiar? Sua família? Como é a sua relação com os mais próximos? Está presa por laços cármicos ou já ruma a caminho do dharma?

Internamente, você se cobra demais? Como se relaciona com suas conquistas e dificuldades? Como encara sua aparência? Aceita seu corpo?

E a gratidão? O perdão? Está usando ou deixou-os numa gavetinha bem escondida?

Lembrem-se: Ser humilde não é humilhar-se. Ser humilde é reconhecer os próprios erros e olhar para eles como se fosse um aprendizado, não um momento de punição ou humilhação.

Manter o ego em seu lugar é abrir caminho para uma vida de afeto, amor e perdão. É ter a casa cheia de vozes amigas, é ter o bem querer das pessoas, é se sentir útil em ajudar sem querer nada em troca. É realizar sem esperar reconhecimento, é ter gratidão, respeito com nossos semelhantes, com todos os reinos.

É ser ofendida e não guardar mágoas eternas. Perdoar não é esquecer, é libertar-se e quem perdoa é o maior beneficiado.

Quem perdoa compreende. Uma pessoa livre de um ego autoritário não se ofende com o atraso de um amigo, com o cancelamento de um compromisso, com uma opinião divergente. Não acha que o mundo é sua sala de estar, com suas regras e determinações inflexíveis.

Quem não vive a serviço do ego não subestima as outras pessoas, seus sonhos e projetos. Não sabota, não passa a perna, não puxa o tapete.

A vida é muito mais plena, leve e feliz quando sabemos dosar bem essa convivência de duas forças opostas dentro de nós.

Quando quiserem que o mundo mude, primeiro olhem para dentro de si, repensem e abram suas portas para a evolução e autoconhecimento pessoal.

P.S: Para saberem mais sobre o conceito de ego, cliquem aqui.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s