E quando as avós não apoiam? Rede de apoio para quem não tem apoio.

heart-947440_1920-750x410

A maioria dos textos sobre rede de apoio a puérpera bate na tecla em como as avós podem estar presentes neste momento e auxiliarem a mulher neste período.

Mas e quem não pode contar com elas? Como fica?

Essa questão é um grande tabu, infelizmente. Faz com que mulheres que vieram de famílias disfuncionais se sintam perdidas. Ó céus, sem avó não faço nada? Não tenho filhos? Fico jogada a própria sorte?

Nem sempre a presença da matriarca na casa da família é viável, independente da questão. Ela pode ter idade avançada, ser doente ou mesmo desinteressada e pouco cooperativa, afinal ela é uma pessoa REAL e não uma construção do arquétipo de anciã acolhedora, cuidadora e curativa.

E se não existirem avós vivas? Como faz? As mulheres ficam a esmo? E aquelas que moram em outro país?

O fato é que por mais que tentemos ser valentes precisaremos de auxílio no puerpério e pouco importa se alguém na família pariu 10 filhos e se virou sozinha. Este momento é de especial fragilidade física e emocional.

De assalto a vida para. Você estará cansada, com um bebê plugado, numa outra esfera de vida. Coloque junto nessa receita a privação de sono e acrescente um filho mais velho e animais para cuidar.

Ou seja: Com ou sem avó você VAI precisar de auxílio.

Minha dica é: Pense com carinho e faça um fundo reserva na gestação mesmo para poder delegar tarefas para outra pessoa.

Quando a gente fala de avós, tias, primas que ajudam nesse processo me sinto num vilarejo rural no século passado. É triste, mas a verdade é que poucas pessoas tem vontade de ajudar e outras poucas tem disponibilidade de tempo para isso. Hoje em dia todos trabalham e tem seus afazeres não podemos contar exclusivamente com a pena ou a boa vontade de alguém neste período.

O que toda família vai precisar neste momento é que as necessidades BÁSICAS sejam supridas, ou seja:

1º Alimentação fresca e de qualidade

2º Animais alimentados e bem cuidados

3º Roupa limpa e organizada

4º Para a puérpera: Sono e descanso sempre que possível

A licença dos homens tem apenas 05 dias, ou seja, não dá para nada. Primeiros dias são extenuantes:  Registrar, fazer exames, e tudo isso com as necessidades básicas gritando, então foquem no básico. Esqueçam casa arrumada, azulejos brilhantes, vidros impecáveis e por favor, não gastem energia com isso tentando manter em ordem o que não vai ficar em ordem. Aceitem apenas.

Se o marido não for um cozinheiro legal, contratem uma pessoa para cozinhar em casa e deixar a comida congelada por uns dias.  Eu prefiro assim, sai um valor infinitamente menor, você escolhe os ingredientes e o preparo é feito em sua própria casa. Se alimentar bem é lei.

Uma panelinha de arroz qualquer um aprende a fazer. Tendo arroz fresquinho, uma salada esperta e um suco gostoso (congele a polpa das frutas) está tudo certo.

Para as roupas espalhe cestos pela casa. Cada membro da família com um cesto. Um de roupa suja e outro de roupa limpa. Fica fácil para qualquer um colocar na máquina e depois de limpas colocarem no cesto certo. E depois se ninguém passar não vai ter histeria para achar a outra meia perdida.

Se a família tiver condições financeiras, uma pessoa que faça a limpeza da casa ajudaria absurdamente a manter a ordem. Que seja a cada 15 dias, já é um alento.

E amigas…Dependendo do estado emocional e das questões puerperais, sim as verdadeiras costumam ser bem vindas. Na minha gestação a visita delas foi muito importante para mim, não me senti só. Elas olhavam nos meus olhos e perguntavam como EU estava.

É a pergunta chave, é o que nos faz sentir gente.

Essas dicas são as básicas. Claro que elas são variáveis, não são receitinha de bolo. Vão mudar conforme a rotina de trabalho do homem, quantidade de filhos, questões financeiras mas é bom outras mulheres saberem que podem se organizar antecipadamente ao invés de se desesperarem ou se verem abandonadas nesse período, ou pior: Se sujeitando a um contato apenas por necessidade.

Rede de apoio não é só avó. Você pode construir sua rede de apoio a qualquer momento e ter um puerpério um pouco menos tempestuoso.

Ai você pode falar: Falar é fácil, né? Também não é fácil, mas partilho com vocês minha experiência de mãe e mulher que trabalha e que não conta com apoio, exceto por uma amiga que acolhe pontualmente meu filho em caso de doulagens durante a semana e outros compromissos que ele não possa estar presente.

Aqui em casa fazemos tudo por nós mesmo…Dá certo, dá trabalho, mas dá um orgulho absurdo olhar para trás e ver o quanto nós somos capazes.

Entendam que rede de apoio não vem pronta. Não se restringe a avós e parentes próximos. Você pode construir sua rede de apoio, sua família direta pode auxiliar neste processo e sim, é possível delegar questões básicas para outras profissionais.

O que não pode é deixar esse assunto de lado, não se planejar e esperar acontecer que alguém de coração puro bata na sua porta as 16:00 com um bolo quentinho, um limpa limpo spray na mão para limpar seu banheiro e um saco de roupas limpas e passadas.

Isso não vai acontecer!

Pensem, ponderem e remanejem gastos que seriam destinados a enxoval, chá-de-bebê e foquem neste período desafiador que é o puerpério.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s