Meu parto, a dor e eu – Danielle Brito

Relembrando o dia em que descobri uma força interna que jamais imaginei possuir.
Relembrando o dia em que descobri uma força interna que jamais imaginei possuir.

Hoje teremos duas contribuições sobre a percepção de dor no parto para encerrarmos os relatos desse mês. Continuo recebendo relatos de outras guerreiras que serão postados posteriormente para po encorajamento de outras mulheres.

O relato da Danielle é um lição de garra! É rico pois ele se iniciou em casa num parto domiciliar planejado e finalizou no hospital para onde foi transferida.

“O que eu mais amei em meu parto foi que não senti raiva da dor em momento algum, pois eu sabia que aquela dor era necessária para trazer meu filho, era por um bom motivo, era pra dar vida! Apenas pedia para que fosse logo, isso sim foi difícil, claro!

Me alimentei pouco, ingeri pouco liquido, não tive vontade de fazer xixi nem coco (ou não me lembro) era difícil achar a posição confortável mas as que me senti melhor foi sentada na bola embaixo do chuveiro e de joelhos apoiada, mas essa não dava por muito tempo.

Tentei técnicas de respiração, me esquecia ás vezes de conversar com meu filho, mas a doula foi super importante principalmente nesses momentos. Medo, senti apenas na hora em que haviam passados 23 hrs de trabalho de parto totais, e meu filho ainda não estava nos meus braços, e eu recebia o alerta das parteiras, pois eu já estava exausta, por conta de não ter descansado desde o começo do trabalho de parto (as colicazinhas, que começaram perto das 04:00 do dia 04) ate a hora que ele realmente nasceu (03:48 do dia 05).

Mas infelizmente o que desencadeou esse cansaço foi uma dor diferente, tive uma especie de câimbra na perna direita e estava na banqueta de parto e fiz uma força bem nessa hora, fisgou meu nervo ciático e minha perna direita simplesmente não funcionava mais, após isso toda força era em vão para ajudar o Bernardo descer, assim eu sentia apenas dor na perna que subia e multiplicava por todo o quadril.

A transferência foi necessária, após aplicação da analgesia, fiz apenas duas forças e ele nasceu”

Anúncios

Estou grávida. Quero parir. E agora?

Elis Freitas Fotografia
Elis Freitas Fotografia – Evilyn

“Você precisa de informação. Informação é tudo, é poder.”

Certo. Você compreendeu que para fazer qualquer escolha, ainda mais referente a via de parto é necessário informação. Mas onde consegui-la? E como filtrar o joio do trigo?

Quando descobri que estava grávida, me vi perdida. Queria parir, mas como parir? Chegando na consulta e pactuando com o médico? Mas pera lá! Não quero parir como minha mãe, vitima de inúmeras violências.

Como faço?

Entrei no google e comecei a pesquisar, onde parir em Campinas. Encontrei um relato antigo de uma mulher de Americana que pariu no CAISM. Chorei, foi tão respeitoso. Ela ficou numa sala com uma penumbra apenas. Marido participou, cortou o cordão.

Terminou, tomou banho, comeu e ficou aninhada com seu filho. Pronto! Era isso que eu queria!

Inocente liguei para o telefone do site.O médico que assistia os partos não estava mais lá e tudo aquilo tinha acabado. Fiquei triste e desolada. E agora?

Minha amiga e doula que pariu em casa me acolheu e me guiou nessa busca. E assim, nos meses seguintes sorvi cada gotinha de informação. Embora não pudesse frequentar os grupos por conta do trabalho, lia bastante e participava deles virtualmente.

Foi essencial. A informação, a comunhão com outras mulheres que passavam pelo mesmo processo despertou uma força que eu sequer imagina existir.

Como sou de Campinas SP, vou fazer um passo a passo sobre como se manter atualizados e informados deixando contatos dos grupos presenciais daqui. Ferramentas essenciais para a busca e conquista do parir.

Grupos virtuais

Em Campinas temos alguns grupos virtuais, mas o mais expressivo é o Parto Humanizado Campinas e Região.

Ele tem um arquivo grande de informações e relatos de parto. Usem o recurso da lupa para pesquisas. Ali você encontra depoimentos importantes de mulheres sobre atendimentos.

Procura um médico humanizado? Não tem certeza se o seu é? Além de consultar as taxas de cesariana fornecidas pelas operadoras, você pode colocar o nome dele(a) na lupa e ver a experiência de outras mulheres.

O link é:

https://www.facebook.com/groups/partohumanizado1/?fref=ts

A luta não para no parto. Apenas se inicia, portanto recomendo fortemente que vocês façam parte de grupos de amamentação também.

O GVA (Grupo Virtual de Amamentação) tem 28 mil membros. É incrível! Bem organizado e claro. Façam parte!

https://www.facebook.com/gvamamentacao?fref=ts

 

Grupos presenciais em Campinas: (Seguem em ordem alfabética)

  •  Arte de Nascer

Rua Luiz Smânio, nº 944 / Bairro: Jar4dim Chapadão/ Campinas SP.

  • Espaço Dar a Luz

Rua Rua Roge Ferreira / Campinas SP/  Fone: 3251-8137

  • Espaço Mulheres Empoderadas

Rua Clodomiro Franco de Andrade Jr, 597 /Jd do Trevo/ Campinas, SP.

  • Samaúma

Espaço Sabiah

Rua Paulo Lanza, nº 91 / Barão Geraldo / Campinas SP.

  • Vínculo

Espaço Pitanga

Rua Gonçalves César, nº 86 / Guanabara / Campinas SP.

De todos os grupos postados fui ao Samaúma e ao Espaço Mulheres Empoderadas. Grupos são assim, existem vários, mas você vai sentir o qual terá mais afinidade.

O Vínculo tem uma biblioteca bacana. Por um valor pequeno é possível ficar com 15 dias com um livro e renová-lo por mais 15 dias.

Dicas de livros:

Parto Ativo

Janet Balaskas

Esse livro é essencial para nosso auto conhecimento. Nós sabemos parir, havendo mobilidade e liberdade instintivamente encontraremos a melhor posição, o que não invalida a leitura desse belo livro.

A maternidade e o encontro com a própria sombra

Laura Gutman

Livro delicado que lida com nossas descobertas e sentimentos ambíguos depois que parimos. Sua leitura para mim foi um bálsamo, libertadora. Recomendo.

Parto com Amor

Luciana Benatti

Revela a trajetória percorrida por nove mães – entre elas a autora – para conquistar o parto desejado. Seus medos, fraquezas e dificuldades estão aqui expostos da mesma forma simples e sincera com que suas alegrias e vitórias são compartilhadas. O instante do nascimento, as horas que o antecederam e os primeiros momentos de vida do bebê são eternizados em fotos que transbordam emoção.

Dica de Filme:

 O Renascimento do Parto

O filme “O Renascimento do Parto” retrata a grave realidade obstétrica mundial e sobretudo brasileira, que se caracteriza por um número alarmante de cesarianas ou de partos com intervenções traumáticas e desnecessárias, em contraponto com o que é sabido e recomendado hoje pela ciência. Tal situação apresenta sérias consequências perinatais, psicológicas, sociais, antropológicas e financeiras. Através dos relatos de alguns dos maiores especialistas na área e das mais recentes descobertas científicas, questiona-se o modelo obstétrico atual, promove-se uma reflexão acerca do novo paradigma do século XXI e sobre o futuro de uma civilização nascida sem os chamados “hormônios do amor”, liberados apenas em condições específicas de trabalho de parto.

 Humanização no Facebook:

Melania Amorim

Melania nos presenteia diariamente evidências a favor no parto natural. Chega de medo, de histórias tristes, na página dela é ciência que conta.

https://www.facebook.com/melania44?fref=ts

Blog da Melania

estudamelania.blogspot.com.br

 Ana Cristina Duarte

Por ela mesma: Obstetriz pela Universidade de São Paulo, Bióloga pela USP, escritora, ativista pelo direito de todas as mulheres a um parto digno, mãe de dois adolêsr ela mesma:

https://www.facebook.com/DuarteAnaCris?fref=ts

 Divas Parideiras

https://www.facebook.com/divasparideiras?fref=ts

Página onde é possível encontrarmos vários relatos de mulheres que lutaram e pariram. Uma delícia ver as atualizações na timeline. Ocitocina pura!

Cesárea não, obrigada!

https://www.facebook.com/groups/cesareanao/?fref=ts

Esse é um apanhado para vocês terem um ponto de partida. Saiba que nessa caminhada não faltará apoio.

Mas é preciso dar o primeiro passo. Não adianta deixar a decisão para parir nas mãos de Deus ou do médico. O parto é seu. Sempre.